As narrativas do Protesto em Vitória

Dia 03Depois de mais de um ano de pesquisa, nasce meu Trabalho de Conclusão de Curso sobre o Protesto em Vitória, manifestação que aconteceu em Vitória-ES pela redução no preço das passagens do ônibus e por melhorias no transporte público da Grande Vitória.

Nada mais justo do que divulgar para o universo online esse trabalho que teve como matéria-prima exatamente as narrativas online publicadas por diversas mãos e cérebros.

2011 e 2012 foram anos de muitas manifestações contra o aumento do preço das passagens, mas no TCC restringi a pesquisa aos dias 02 e 03 de junho de 2011, dias de lutas mais intensas nas ruas de Vitória, com uma grande quantidade de conteúdo sendo divulgada através da internet.

Esse material serviu para a reconstrução da história dos dois dias escolhidos e para narrar os variados pontos de vista que a rede apresentou em torno do assunto. Também entrevistei manifestantes que participaram dos protestos na rua e na internet, jornalistas que cobriram os acontecimentos, o coronel da Polícia Militar que esteve no comando da tropa do Batalhão de Missões Especiais e um funcionário do governo do Estado.

O TCC completo pode ser acessado aqui:

Expressões da Multidão: As narrativas online dos indignados do Protesto em Vitória

Pelé: marca valiosa

Aos 72 anos, Pelé reina no futebol e também nos comerciais mundo afora. São centenas de propagandas diferentes estreladas pelo rei que de seu ar da graça para divulgar produtos como colchão, café, moto, cartão de crédito, vitaminas e até remédio para disfunção erétil. O que gerou alguns milhões para a sua conta bancária. A marca Pelé é administrada pela Legends 10, contratos de marketing e publicidade, licenciamento de produtos e também das aparições públicas do rei. Hoje, ele não entra em uma campanha publicitária no Brasil por menos de 2 milhões de reais — se for no exterior, o número dobra.

De uma das primeiras, no início da fama, Pelé até tentou escapar. A oferta era para que o craque batizasse uma aguardente fabricada por um amigo de seu pai. Na hora H Pelé recusou, porque não queria sua imagem vinculada a uma bebida alcoólica, mas mesmo assim muitas garrafas da “Caninha Pelé” foram distribuídas para o comércio. Pelé ainda recolheu boa parte das cachaças, mas algumas viraram artigos de colecionadores.

Em comercial da década de 80, Pelé ganha Xuxa de presente de natal, vestida de noiva.

Fez comercial de roupa…

De pilhas…

Apareceu em propaganda junto com Maradona e Zidane:

O craque fez até gracinha nas criativas propagandas do Bombril:

Pelé balançou a rede com 1.284 gols no total de sua carreira, sendo 95 só com a camisa da Seleção Brasileira. Mas seu último gol não foi na seleção. Por isso, ganhou homenagem da Vivo com a oportunidade de realizar seu sonho.

Com informações da Revista Alfa e do Globo Esporte.

O futuro do jornalismo está sequestrado pelo debate sobre os modelos de negócios

Entrevista de Sergio J. Valera com o José Luis Orihuela sobre jornalismo, mídias sociais, os impasses e o futuro da profissão, traduzida do site da Associação da Imprensa de Madri.

Para o jornalista José Luis Orihuela (Córdoba, Argentina, 1960), autor do blog eCuarderno, professor da Universidade de Navarra e popular tuiteiro (@jlori), as mídias têm que “centrar-se verdadeiramente em modelos de produto ao invés de se centrar em modelos de negócios”. Devem pensar na qualidade de seus conteúdos, sem cair “na tentação de substituir o critério jornalístico pelo da popularidade” e deixar de uma vez por todas de dar voltas em como “manter durante todo o tempo possível o modelo anterior”.

É necessário também, acrescenta Orihuela, que as mídias realizem “transformações radicais”, mediante as quais se desprendam de “tudo o que não seja atividade jornalística”.

O que os meios tradicionais precisam fazer para sobreviver à transformação do setor?

Primeiro, o meio tradicional tem que reconhecer a dificuldade que possui para se reinventar e fazer algo diferente ao que vinha fazendo. A constatação desta dificuldade é que a inovação mais interessante no âmbito da comunicação pública vem de fora, do entorno dos meios, como Google News, os blogs, Twitter… Em segundo lugar, evitar a tentação que estão tendo os meios tradicionais de tentar mascarar a crise para manter durante o máximo de tempo o modelo anterior.

Em seu último livro você oferece “80 chaves sobre o futuro do jornalismo”. Quais são as principais?

O debate acerca do futuro dos meios e do jornalismo está sequestrado pelo debate sobre os modelos de negócios. Estamos nos concentrando demais em como fazer para que sobrevivam os velhos meios. A primeira chave é centrar-se verdadeiramente em modelos de produtos no lugar dos modelos de negócio. Antes, as pessoas estavam dispostas a pagar por nosso produto, com um modelo de negócio baseado na publicidade, venda, assinatura, etc. Mas agora há uma multiplicidade de fontes de informação – muitas delas gratuitas e de grande qualidade – que operam como produtos substitutos dos meios. Precisamos perguntar se estamos dispostos a fazer com que nosso produto tenha qualidade suficiente para que alguém pague por ele.

A outra chave é separar o debate acerca do futuro do jornalismo como profissão e como função social do debate sobre o futuro das empresas de comunicação que temos até agora. Os meios devem assumir transformações radicais que tem muito a ver com a terceirização de todo o núcleo da atividade jornalística.

Qual é o perfil do jornalista mais demandado atualmente?

A abundância de informação é uma boa notícia para os comunicadores profissionais. Longe de pensar que não serão necessários. Quanto mais informação disponível, mais falta faz ter gente preparada profissionalmente para filtrá-la.  Antes necessitávamos de profissionais que nos deram informação, agora necessitamos de informação sobre a informação: onde está a informação relevante, como se relaciona com outras informações interessantes, como posso recebê-la nos mais distintos formatos. Em todo caso, aos meus alunos eu não falo de perfis, mas eu os alerto, ao invés de pensarem em quem vai contratá-los, a pensar em como vão expor suas ideias empreendedoras para envolver seus colegas de classe.

Para um jornalista, qual a importância de criar uma marca pessoal?

Antes da revolução da internet, as marcas pessoais estavam reservadas para os colunistas de jornais, estrelas de rádio e apresentadores de televisão. Atualmente, cada vez é mais relevante que o jornalista assuma a construção de uma identidade desde o começo de sua formação. Toda a atividade digital deixa um rastro que se pode seguir. Quem sabe seu parceiro ou seu próprio chefe não rastreie. Quando aparecer uma oportunidade de trabalho, sua identidade profissional não vai ser contrastada com seu título, mas com sua atividade em seu blog ou em sua conta do Twitter. Trata-se de criar uma marca associada a um tipo de conteúdo e também a uma especialização. Agora, necessita-se de profissionais que, além de saber comunicar em todos os meios, dominem alguma temática concretamente. Essa é uma decisão estratégica que o estudante deve tomar durante a carreira: buscar uma especialização.

Cada vez mais as mídias são a soma das marcas individuais de seus jornalistas?

Um bom exemplo foi o modelo de Soitu, que foi inicialmente pensado como uma espécie de agregador de blogs. Era o atrativo de um meio que entendia a informação de uma maneira diferente, muito mais ligada ao prestígio das marcas pessoais dos colunistas. Todos os portais dos meios de comunicação – jornal, rádio, televisão – tem uma oferta de blogs, que em alguns casos é de centenas de títulos. Uma plataforma que inicialmente gerou suspeita na mídia tradicional, que atribuiu a ela uma série de qualificadores muito pouco dignos, como “jornalismo de pijama” e coisas desse estilo, acabou formando uma parte muito importante da oferta de mídia online.Os blogs são a voz mais próxima do público, de alguém concreto, de alguém que sabe e de alguém que sabe acerca de algo que me interessa. E no fenômeno da construção da marca pessoa, os blogs foram tão importantes, no final dos anos 90 e durante a década passada, agora o Twitter está sendo.

O que significa pra você um jornalista manter um blog próprio?

Um blog é um meio que tem um estilo, uma cultura e uma linguagem distintos da coluna. Desde o ponto de vista narrativo que gira em torno da conversação e dos links. Um blog é uma comunidade e significa proximidade com a audiência que não é necessariamente massiva, mas compartilha interesses.E, finalmente, um blog é uma grande ferramenta de construção de uma marca pessoa e um magnífico sítio para se tornar forte em um nicho.

Como as redes sociais podem ajudar aos jornalistas no exercício diário de sua profissão? E, em especial, o Twitter?

Twitter nos tem levado a outra dimensão da circulação global da informação, tanto na velocidade como na direção em que circula. O fenômeno do tempo real se converteu em algo absolutamente transversal a toda cultura através do Twitter. O Twitter é um espetacular sistema de alerta precoce que, se está bem sintonizado, resolve muitos problemas para os comunicadores. Nessa rede social, cada usuário governa a qualidade de sua experiência a partir das contas que segue. E mais, se decides publicar tuites – 47% dos usuários não faz isso e só usa o Twitter como um mecanismo de leitura – é uma plataforma magnífica para promover conteúdos publicados em outros suportes. Também é um magnífico ambiente de conversação para divulgar temas e proporcionar o acesso direto às fontes. O ditado popular da profissão era que um jornalista valia o que valia sua agenda. Hoje, sua agenda são suas redes sociais: ele vale na medida em que consegue articular redes suficientemente potentes e solventes para obter informação relevante.

Um dos últimos posts do seu blog tinha o título “Twitter e a banalização do jornalismo”. Muitas vezes as redes sociais incendeiam as manchetes dos jornais.

Os meios de comunicação têm exagerado no fenômeno do Twitter e suas tendências. Uma atitude, por outro lado, bastante habitual nos meios: focam em uma parte mais periférica de uma tecnologia até esgotá-la, declaram que está morta, como fizeram com os blogs e passam para a próxima tecnologia.

Segundo um estudo realizado em Chicago, os sites pequenos são os que mais dependem das mídias sociais para ter acesso. Os meios mais importantes acabaram dependendo também das redes sociais, blogs, etc. para gerar grandes audiências?

Qualquer webmaster de um meio espanhol te dirá que nestes sete anos, aproximadamente, o ritmo de crescimento do acesso obtido com as redes sociais não tem parado de crescer, especialmente desde a criação do Facebook e do Twitter. Nenhum meio de comunicação pode viver à margem das mídias sociais. Não podem viver alheios à conversação do conteúdo gerado pelos usuários e à voz da gente a quem dizem servir.

SEO (posicionamento web) e manchetes de jornais são conceitos compatíveis?

Devido às manobras do Google, o SEO está resultando cada vez mais em um terreno pantanoso e enigmático. Se o algoritmo do Google antes mudava a cada trimestre, aproximadamente, agora quase muda toda semana. Google tenta ser cada vez mais significativo para seus usuários. E creio que, cedo ou tarde, a incorporação do poder social sobre o sistema de filtragem de algoritmos será mais relevante. As métricas relacionadas com o tráfego e com o posicionamento estão reorientando-se de acordo com o que o usuário faz com a informação, com o “engajamento“. Não se avalia simplesmente a quantidade de seguidores ou de visitas de uma página web, mas sim o que as pessoas fazem com seu conteúdo: compartilhar, curtir, retuitar, favoritar…

Bem, essa é outra razão para pensar a qualidade dos conteúdos antes da busca indiscriminada de um maior número de acesso a qualquer preço na web.

Na medida em que tenhamos a tentação de substituir o critério jornalístico pelo critério da popularidade, estamos tirando pelas pontas aquilo que estamos falando: o conceito de qualidade do produto.

Parece que a Unidad Editorial, com o diário “Expansión”, e a Prisa cobrarão em breve por determinados conteúdos digitais. Você acredita que isso terá êxito na Espanha?

Depende de que tipo de conteúdo querem cobrar. Se há um substituto de qualidade equivalente que seja gratuito, esse substituto sempre vai ganhar. Eles têm que aumentar um nível de demanda sobre seus produtos que dificilmente possam ser substituídos por um gratuito.

Tradicionalmente – aí estão as experiências do “Wall Street Journal”, “The Economist” e “Financial Times” -, é possível cobrar quando o conteúdo informativo que recebe o usuário lhe permite gerar dinheiro. A informação financeira historicamente tem valor para os assinantes.

Para outros tipos de informação, o modelo que cada vez está mais claro é o “freemium”: uma ampla oferta de serviços e conteúdos abertos com os quais se engaja a audiência e se constrói um valor de marca e um hábito que financeiramente propicie ao usuário a pagar por ele. Esse é um modelo em que o meio não é invisível aos motores de busca e nas mídias sociais. Boa parte do conteúdo aberto, exceto, por exemplo, arquivo, documentos em PDF, conteúdo estendido de algumas entrevistas ou de reportagens, etc. são cobrados em uma taxa fixa de conteúdos “premium”.

Nós conversamos sobre transformações radicais nos meios que também são necessárias nas escolas de jornalismo, segundo escreveu recentemente Jeff Jarvis para o Nieman Lab. Você escreveu em seu blog sobre a necessidade de repensar o ensino. O que precisa mudar nas escolas de jornalismo?

A necessidade de uma mudança radical depende muito do ponto de partida de cada faculdade de Comunicação. Há algumas que se esforçam há muitos anos – mas de 50, como no caso da Faculdade de Navarra – para que uma parte da formação consista em que os alunos desenvolvam meios de comunicação na própria universidade, como tradicionalmente se tem feito nas universidades americanas. Uma questão prática como é a comunicação, não se pode resolver nem de um modo teórico nem de um modo técnico. A menos que se formem teóricos da comunicação incapazes de produzir mudanças no cenário real ou especialistas na utilização de um programa ou de distintos aparatos. O que necessitamos é de uma formação prática, na qual nós treinemos os estudantes para que sejam capazes de dirigir equipes de trabalho e tomar decisões sobre que informações se devem publicar, em que canais, etc.

O mercado de trabalho só absorve um em cada cinco licenciados em jornalismo. Fala-se que as faculdades de jornalismo são como fábrica de desempregados. O que se pode fazer para evitar isso?

Quando pensamos de uma perspectiva mais ampla que a dos meios tradicionais, vemos que muitos licenciados em jornalismo trabalham em empresas que não podem pensar em funcionar sem comunicação. Abriu-se um cenário que a universidade deve aproveitar: preparar os estudantes para gerir informação de maneira profissional, não necessariamente em um jornal, em uma rádio ou em uma televisão. Um jornalista é essencialmente um profissional que está capacitado para obter informação relevante, analisa-la, contextualizá-la, dar a ela uma nova roupagem e redistribuí-la pelos canais mais eficazes para que chegue a sua audiência.

Mas, então, você não acredita que existem faculdades de comunicação demais na Espanha?

É certo que tem acontecido uma inflação de faculdades de Comunicação que não corresponde ao mercado. Quando cheguei à Espanha, há 25 anos, havia quatro faculdades de Comunicação e agora são mais de 44. Nestes 25 anos, o mercado dos meios de comunicação tradicionais não tem crescido dessa forma. Infelizmente, em muitas universidades espanholas inauguram-se cursos de Comunicação por razão de prestígio e influência, sem nenhuma perspectiva séria acerca da empregabilidade do mercado profissional.

Em cada aniversário uma espera

Dia de aniversariar é dia de recordar. Pensar em todas as comemorações e presentes dos anos anteriores fazem relembrar aquelas sensações gostosas, diferentes em cada ano, em cada nova idade.

Com cinco anos a festa da Mônica, da qual só se lembra por fotos, mas deve ter sido divertida. Todos, mas todos mesmo, os amigos de infância, com seus óculos fundo de garrafa, janelinhas na boca, cabelos espalhafatosos e risadas escancaradas que dão até medo. As várias fotos com a roupa nova, um vestido creme com detalhes vinho e o sapatinho preto, não negam a satisfação de ter todas as atenções voltadas para você naquele dia. A grande espera da noite: comer os brigadeiros (só depois do parabéns) e abrir os presentes (só depois que todos estivessem ido embora). Que demora!

Ah, a festa dos 10 anos! As tele mensagens e mensagens ao vivo estavam na moda e foram várias durante o dia que terminou com aquela festa cheia de doces, balas e presentes. Muita gente reunida e cada hora um carro de som diferente gritando o seu nome na rua. Não se cansava de esperar o próximo chamado, ao telefone ou na rua (ainda bem que moda passa!).

Mas a festa mais esperada era a dos 15 anos. Toda menina deseja uma noite de princesa nesse dia, mas a mocinha preferiu celebrar a nova idade na igrejinha do bairro se contentou com a pizza que seus pais prometeram depois da celebração. Mas para sua grande surpresa, a festa a esperava com direito a painel de fotos, um grande bolo (cortado por seu apressado pai antes mesmo do parabéns) e docinhos, jogo de luz como se estivessem em uma boate, amigos cantando e tocando uma canção em sua homenagem. Mais uma vez esperar. Agora, pela chegada do príncipe encantado.

Todos diziam: aproveite, porque depois dos 15 os anos passam mais rápido. Era difícil acreditar, mas estão passando. Vieram os 17 e os aniversários começaram a serem um pouco mais difíceis. As comemorações ficaram menores e em boa parte dos anos elas precisam acontecer longe da família. Quanto choro de saudade derramado durante o dia e a espera de que no próximo ano seja diferente.

Depois dos 20, resta a inútil tentativa de resgatar o clima das comemorações dos anos anteriores. Novas pessoas circundam a mesa e a vida. Novas sensações no cantar do parabéns. Quanta espera da ligação que nunca chega, dos presentes que se tornaram mais escassos, da alegria que antes tomava todo o dia.

Para este ano novas esperas: pelas surpresas do futuro, pelos problemas que terá que resolver, pelas responsabilidades que terá de assumir, pelas difíceis escolhas que terá de fazer, pelos aniversários que nunca serão mais os mesmos, mas que podem ser ainda melhores. Resta a espera.

Borja Terán: a televisão é um eletrodoméstico mágico

Uma das coisas que gosto de fazer é ler sites estrangeiros sobre jornalismo e tecnologia. Então aqui teremos algumas traduções de textos interessantes dessas áreas.

A entrevista abaixo é do blog 233 Grados e traz algumas reflexões que também podem ser aplicadas à televisão brasileira, que passa por tantas transformações.

Defender uma mídia como a televisão, agredida frequentemente nos círculos intelectuais e fazê-lo ao mesmo tempo de modo inteligente, com bom humor e um gosto instrutivo pelo entretenimento com maiúsculas, não deve ser fácil, mas é o que faz Borja Terán, jornalista que escreve sobre o que ama (e isso se nota) no Telediaria, um blog do Lainformacion.com sobre o mundo assustador de uma caixa que é burra, como ele diz, porque na realidade é muito inteligente.

233Grados: Telediaria tornou-se em pouco tempo um blog de referência dentro de seu campo. Eu sei que sempre se diz que não há segredos para o sucesso, mas no final todos estamos empenhados em descobri-los. Assim, eu te pergunto: qual é o segredo para fazer que um blog funcione?

Borja Terán: Que pergunta mais difícil! Tenho três blogs e ainda não encontrei o segredo. Nem creio que encontre. Finalmente creio que há duas chaves para que um blog tenha sucesso: a constância e tentar fazer a diferença no conteúdo. Quando Lainformacion.com me chamou para propor para tomar as rédeas do Telediaria, me dei conta de que podia contribuir com meu conhecimento sobre o meio de forma diferente, de dentro, como uma pessoa que esteve nos dois lados: escrevendo sobre televisão em revistas, mas também trabalhando por trás das câmeras na TV e no cinema. Agora, tento trazer minha curiosidade e, sobretudo, seguir aprendendo sobre a TV que vivemos, sem deixar de recordar da TV do passado e permitindo-nos sonhar com a do futuro.

O que a televisão tem (e os personagens que nela aparecem) que desperta tanto interesse?

É um eletrodoméstico mágico. Não entendo as pessoas que não tem televisão em sua casa. A caixa burra é muito inteligente, é um instrumento fundamental com o qual nós nos informamos, aprendemos, descobrimos… Por que, o que seria de nós sem isso… sem sonhar em ganhar um carro no Um, dos, tres… sem assobiar a melodia de Verão Azul… sem querer tirar a peruca de José María Íñigo, sem pegar o telefone e gritar um Olá Raffaella ou sem ter ficado perplexo com o final de Lost. A televisão é parte intrínseca das nossas vidas e os personagens que nela aparecem acabam sendo quase como da família, com gostos e desgostos.

Como você vê o panorama atual com um programa como o Telecinco que é o mais rentável da Espanha e que se dedica em quase 100% da sua programação ao mesmo tipo de conteúdo (digamos que é conhecido como “trash TV”)?

Existem muitas formas de “trash TV” e também muito prejuízo com isso. Existem jornais de muito prestígio que maquiam a informação para decorar uma realidade e ninguém coloca rótulos. Isso é um “lixo de imprensa”? Não sei. É mais fácil criticar a programação lúdica de um determinado canal. Embora Mediaset realize multidões de formatos de todos os tipos, Telecinco talvez se especializou demais em uma imagem associada a um perfil de conteúdos. E, provavelmente, a crise econômica também ajudou, já que esses espaços a que você se refere são mais baratos de produzir e retroalimentam toda a rede fora da cadeia. Mas a rentabilidade não é apenas determinada pela audiência de um tipo de programa, é também um alvo com uma direção clara e um sólido critério para os anunciantes.

Como você acredita que será a televisão do futuro? Muito distante da atual? O que mudará?

Karlos Arguiñano sempre diz que quer que a televisão do futuro transmita odor. Embora esse não seja o ponto principal da TV: chegar à sala de estar o perfume de um estranho, realmente… Nesse caso, espero que se possa apertar o “mute”. O que está claro é que o futuro da televisão passa pela Internet, pela programação da demanda e pela participação da audiência através de seu celular, seu tablet ou o quem virá a seguir. O espectador deixou de ser passivo para sentir-se parte. A Internet vai tomar o lugar da televisão. Ela já está fazendo isso pouco a pouco. Isso não será ruim, enriquecerá o meio.

Você acredita que há espaço para as televisões regionais?

Claro. Tenho a sensação de que há um plano premeditado para criar um ódio social em torno das televisões regionais como cadeias que não servem para nada e que só são máquinas caça níqueis de dinheiro público. Mas isso não deveria ser assim. O problema está nas más gestões pelos mesmos que agora querem privatizá-las e que, em alguns casos, colocaram gerentes políticos que desconheciam totalmente o funcionamento real da televisão. E assim tem sido. O curioso é ver como estão desaparecendo as televisões regionais, quando o que mais importa às pessoas é o que acontece em sua cidade, seu bairro, seu povo… Daí o êxito da Telemadrid em seus anos gloriosos, quando estava tão presente na rua ou a força da TV3 na Cataluña. A identidade própria e o serviço público é mais potente se pauta-se na proximidade, no que nos toca de perto.

E uma última pergunta sobre um concurso da televisão: Por um milhão de euros: se você fizesse um programa de TV, como seria e quem apareceria nele?

Eu gostaria de inventar “Tu cara me suena”, mas Tinet Ribura já se adiantou (risos). De qualquer maneira, além de escrever sobre televisão no Lainformacion.com, continuo participando por trás das câmeras. Em breve estrearemos um projeto na rede e continuo vendo muita televisão nacional e internacional, prestando atenção na história catódica, que acredito que é a melhor escola. Então, aqui estamos dando voltas em cima das mesmas ideias, mas isso eu não penso em te contar.

Conheça o programa “Tu cara me suena”:

Presente de irmão

Há 19 anos este dia não era um dia feliz. Não para mim. Nascia alguém que ocuparia o meu lugar e tomaria algumas das mais importantes coisas da minha vida: a atenção e o amor dos meus pais. Eu não podia suportar!

Quis sair do jardim de infância, chorei, fiz birra, senti medo, mas não abri mão de escolher o seu nome. O que indicava uma das minhas limitações até hoje: o desejo de estar no controle ou pelo menos sentir que estou.

Você surgiu no mundo com aquela careca e aquele rosto redondo tão meigos. Não demorou muito para eu me apaixonar. Mas mesmo assim não quis dar o braço a torcer! Eu ainda precisava estar no comando.

Somente um ano e meio depois é que eu realmente fui descobrir o forte amor que sentia por você e, mesmo aquele sendo um momento de dor, eu tinha a esperança de que tudo aquilo passaria e nós teríamos ainda muito tempo para aprendermos a conviver e a expressar nossa afeição um pelo outro. Nossa missão tinha apenas começado a ser cumprida.

Você foi forte! Um grande guerreiro que desafiou a tudo e a todos para defender a sua frágil vida. E venceu! A partir daquele momento fui eu quem decidiu começar a defender a sua vida. Defendia até demais, quase te sufocava, com meus olhos sempre atentos em ti para garantir que nada saísse do lugar. Era puro amor. O amor que eu ainda não tinha te dado, o amor dos meus pais (que a partir daquele dia eu queria muito que também fossem seus), o amor que não pensa em si, só no outro.

Ainda assim as coisas saíam do lugar. Era só eu piscar e um braço se quebrava, um queixo se cortava mais uma vez, você batia a cabeça, o pé. Nossas brigas, muito acaloradas, hoje me causam um pouquinho de dor, mas tudo foi como deveria ser para aprendermos a viver. E continuamos aprendendo.

Você cresceu até demais que já não consigo te dar um beijo no rosto sem ficar nas pontas dos pés. Cresceu e venceu tanto que me orgulho da sua garra e determinação só de pensar na dura jornada que você enfrenta todos os dias. Eu não sei se conseguiria.

Hoje divido contigo as doces lembranças, o quarto (ainda que nos encontremos pouco), a mamãe e o papai, os conselhos, meus melhores momentos e os piores também, com a certeza de que você é uma das poucas pessoas que sempre cuidará de mim, até quando formos bem velhinhos e aí sim nossa missão se cumprir.

Ps: Só hoje fui descobrir ou me atentar para o significado do nome que te dei. Essa foi uma das melhores coisas que já fiz na vida, porque seu nome traduz exatamente quem é você: o que tem vitória com a graça de Deus! Parabéns por mais um ano de vida, João Vitor, e obrigada por me fazer tão feliz!

Cheguei!

Significado de Cordel

s.m. Corda muito delgada; cordinha.

Bras. Literatura de cordel, o romanceiro popular nordestino, que se distingue em dois grandes grupos: o da poesia improvisada, cantada nas “cantorias”, e o da poesia tradicional, de composição literária, contida em folhetos pobremente impressos e vendidos a baixo preço nas feiras, esquinas e mercados do Nordeste.

Sempre gostei muito de escrever e desde que comecei a estudar jornalismo quis ter um blog. Fui pesquisar sobre internet e mais uma vez a ideia de ter um blog persistia. Queria um lugar para depositar minhas ideias e fazer o meu jornalismo. Mas cadê a coragem? Escrever é expor-se, como em um cordel.

Neste Cordel de Ideias não vou fazer poesia, nem improvisada e muito menos tradicional. Ora vou trazer informação tradicional ou não, ora desabafos improvisados ou não. E vamos ver onde dará essa decolagem.